“Farinha com açúcar ou sobre a sustança de meninos e homens”: dramaturgia semifinalista do Oceanos 2019 na Tarrafa Literária

No último sábado (28), o Oceanos levou aos palcos do Teatro Guarany, durante Tarrafa Literária, em Santos (SP), o grupo de teatro paulista Coletivo Negro, que apresentou adaptação da peça Farinha com açúcar ou sobre a sustança de meninos e homens. A obra do dramaturgo, pesquisador e ator Jé Oliveira é semifinalista do Oceanos 2019.

Acompanhado de cinco músicos, Jé reflete sobre a violência contra a população negra na peça-show em dois atos – Morrendo e Sendo –, que trazem a representação da experiência dos homens negros na ordem inversa: da morte para a vida.

Peça-show Farinha com açúcar ou sobre a sustança de meninos e homens encenada no Teatro Guarany, em Santos

No primeiro, o narrador mostra que é preciso, antes, livrar-se da morte, sobreviver ao assassinato – principalmente pela Polícia Militar – que atinge tão violentamente grande parte da população negra periférica. No segundo ato, a vida e a construção (e afirmação) da identidade enquanto homem negro aparece.

“Estar pelo quarto ano com uma peça viva num país em que ser negro e estar vivo é quase uma façanha, é motivo de muita felicidade para mim”, ponderou Jé. “É uma obra que se atualiza e potencializa a cada acontecimento triste da nossa história política. Então é uma peça que o tempo faz ficar cada vez mais potente. Gostaria que o conteúdo da obra fosse um dia uma lembrança de uma época que passou. Mas ainda estamos longe disso, infelizmente.”

Trecho do 1º ato:

 

Trechos do 2º ato:

 

 

Em seguida à apresentação, o autor-ator Jé Oliveira e a curadora e gestora do Oceanos Selma Caetano se juntaram para uma conversa sobre o processo de criação da obra Farinha com açúcar e a repercussão da obra desde sua estreia.

“Conversar com Jé Oliveira na Tarrafa Literária foi um prazer. Seu trabalho no Coletivo Negro é fundamental e precisa ser divulgado nos dias atuais, não apenas pelos temas abordados como também pelo diálogo que mantêm com importantes ícones da cultura brasileira: em Farinha com açúcar ou sobre a sustança de meninos e homens Jé dialoga com a obra de Mano Brown; já Gota D’Água {PRETA}, seu mais recente trabalho, é uma releitura da obra Gota d’Água, de 1975, de Chico Buarque. Com uma escrita poética e referências literárias diversificadas, Jé produz emoção e reflexão”, afirmou Selma.

Para o jornalista Manuel da Costa Pinto, também curador do Oceanos, foi “um espetáculo vibrante, mesclando música, representação e o fortíssimo texto no qual o semifinalista do Oceanos emula os Racionais. De quebra, o escritor Jé Oliveira se revela um excelente ator, encarnando de modo comovente toda a indignação ética e étnica de sua poética”.

Selma Caetano e Jé Oliveira durante mesa na Tarrafa Literária.

Sobre a Tarrafa Literária: a 11ª edição do festival de literatura que acontece anualmente em Santos reuniu mais de 30 escritores, artistas, professores e críticos literários entre os dias 25 e 29 de setembro.

Sobre Farinha com açúcar ou sobre a sustança de meninos e homens: o espetáculo estreou em fevereiro de 2016, e teve o texto publicado em livro em 2018. Assistida por mais de 15 mil pessoas durante as três temporadas que esteve em cartaz, a peça parte de uma pesquisa do Coletivo Negro sobre a construção de masculinidades negras na periferia de São Paulo. A partir da pesquisa, o texto se materializa por meio do ato de contar e refletir sobre a experiência de ser negro na contemporaneidade. O espetáculo é um tributo à obra dos Racionais MC’s. Além de Jé Oliveira, participaram, na Tarrafa Literária, os músicos Mauá Martin (teclados), Fernando Alabê (percussão), Gabriel Longhitano (guitarra e violão), Thiago Sonho (bateria e SPD) e Rodrigo Eloi (baixo), Lucas Gonçalves (luz) e Alex Oliveira (som).