Infraordinário

 

Infraordinário”, com Marília Garcia

 
 
Curadoria: Manuel da Costa Pinto e Selma Caetano
Direção: Murilo Alvesso

Vencedora do Prêmio Oceanos 2018 com Câmera Lenta, a poeta Marília Garcia realiza, em seu livro, uma "desautomatização" do sentido convencional das palavras e das percepções. Incorporando à estrutura do poema procedimentos do cinema, como a desaceleração ou o corte e a montagem de cenas aparentemente desconexas, cria novos enredos para experiência urbana e desvela sentidos ocultos naquilo que ficou soterrado na vivência ordinária do cotidiano.

 
 
 
  • Gonçalo M. Tavares
    "Escrever é um ato físico, quase uma disciplina de atleta".
    Gonçalo M. Tavares
  • Eucanaã Ferraz
    Eu sempre quis ser alguém capaz de criar coisas”.
    Eucanaã Ferraz
  • Bernardo Carvalho
    Literatura é uma construção vital, minha vida seria uma droga sem ela”.
    Bernardo Carvalho
  • Silviano Santiago
    Importa-me primeiro ser lido. Em segundo lugar, importa-me ser compreendido. E em terceiro, ser bem compreendido”.
    Silviano Santiago
  • José Castello
    “Escrever crítica alimenta meus livros, escrever meus livros alimenta minhas crônicas, escrever minhas crônicas alimenta minhas ficções”.
    José Castello
  • Arthur Bispo do Rosário
    "O partido é só um, que é o do criador”.
    Arthur Bispo do Rosário
  • Sérgio Sant’Anna
    A literatura é um ato de prazer, que não deve ter segundas intenções”.
    Sérgio Sant’Anna
  • Maria Esther Maciel
    “A poesia, que é o espaço por excelência do não sabido, é o meio mais propício para trespassar as fronteiras das espécies”“A poesia, que é o espaço por excelência do não sabido, é o meio mais propício para trespassar as fronteiras das espécies”.
    Maria Esther Maciel