O povo Guarani em crônica de Isabel Lucas

A partir de duas fotos e um curto vídeo recebidos de Selma Caetano, coordenadora-curadora do Prêmio Oceanos, a também curadora Isabel Lucas escreveu sua crônica semanal para a coluna O Fio da Meada, da RTP.

Em seu texto, Isabel faz uma descrição delicada das imagens, o que dá origem a uma observação profunda da condição indígena, da dizimação dos povos indígenas e das transformações da língua Guarani. “Era bom que a neta de Olívio Jekupé pudesse crescer onde quisesse, e falar a língua que quisesse, e ter os mesmos direitos que todas as crianças. Que não tivesse de esquecer a língua Guarani porque a sociedade onde vive não a valoriza, que a relação não fosse como tem sido, da resistência árdua a um dominante. Que sua identidade não fosse ameaçada e essa língua continuasse carregando as transformações de uma língua viva, porque isso é sinal de que a sua comunidade vive, com mais ou menos contágios”, escreveu.

As imagens enviadas por Selma foram feitas durante as gravações das entrevistas com os escritores Olívio Jekupé e Werá Tupã na aldeia Krukutu, em São Paulo. As filmagens darão origem a novos episódios da série Prisma Literário, produzida pela Associação Oceanos com patrocínio da CPFL Energia e apoio do Instituto CPFL.

Ouça a crônica completa de Isabel Lucas aqui.