Os semifinalistas do Oceanos 2020 por seis apaixonados por livros

Neste ano, impossibilitado de realizar os tradicionais encontros presenciais para divulgação do semifinalistas e finalistas do prêmio, por conta da pandemia de Covid-19, o Oceanos decidiu dialogar com novos e importantes agentes da cadeia do livro: os influenciadores digitais.

Convidamos seis apaixonados por livros, que compartilham diariamente suas experiências de leituras nas redes sociais – Instagram, Facebook e YouTube –, para levarem aos seus seguidores as obras semifinalistas desta edição. E eles toparam o desafio! A partir de 19 de setembro, esses influenciadores dividiram com o público, em seus perfis, suas impressões sobre os 54 primeiros classificados ao Oceanos 2020, por meio de textos, fotos, resenhas em vídeo e leituras de poemas.

O resultado dá a conhecer a alta qualidade da literatura em língua portuguesa. A seguir, as impressões dos canais Camilla e seus livros, por Camilla Dias; Seleção literária, por Darwin Oliveira; LiteraTamy, por Tamy Ghannam; Livrada!, por Yuri Al’Hanati; Primeira prateleira, por Humberto Conzo Junior, e Chave de leitura, por Aline Aimée.

Camilla e seus livros, por Camilla Dias

Um passo para o Sul, de Judite Canha Fernandes – 26 de outubro

As solas dos pés de meu avô, de Tiago D. Oliveira – 24 de outubro

Essa gente, de Chico Buarque – 23 de outubro

Uma furtiva lágrima, de Nélida Piñon – 12 de outubro

A imortal da Graça, de Filipe Homem Fonseca – 8 de outubro

Contos de antes, de Ana Vargas – 27 de setembro

O homem ridículo, de Marcelo Rubens Paiva – 27 de setembro

Torto arado, de Itamar Vieira Junior – 19 de setembro

Agora serve o coração, de Nei Lopes – 19 de setembro

Seleção literária, por Darwin Oliveira

Carta à rainha louca, de Maria Valéria Rezende – 6 de novembro

As durações da casa, de Julia de Souza – 5 de novembro

Cerração, de Alexei Bueno – 4 de novembro

Janelas abertas nº 3, de Liv Lagerblad – 3 de novembro

Isto não é um documentário, de Marcos Siscar2 de novembro

Retratos com erro, de Eucanaã Ferraz de novembro

A morte e o meteoro, de Joca Reiners Terron – 16 de outubro

O processo violeta, de Inês Pedrosa – 15 de outubro

O gesto que fazemos para proteger a cabeça, de Ana Margarida Carvalho – 14 de outubro

Imagens imaginadas, de Pedro Mexia – 13 de outubro

A visão das plantas, de Djaimilia Pereira de Almeida – 12 de outubro

Livrada!, por Yuri Al’Hanati

Seis semifinalistas: Quotidiano instável, de Maria Teresa Horta; Giz preto, de Gonçalo Fernandes, Abliterações, de Paulo Dutra; Esta solidão aberta que trago no punho, de Dércio Braúna, Deriva, de Adriana Lisboa, O verão tardio, de Luiz Ruffato – 1º de novembro

Seis semifinalistas: Sombrio ermo turvo, de Veronica Stigger; Todos nós temos medo do vermelho, amarelo e azul, de Alexandre Andrade; Monstruário de fomes, de Ruy Proença; Autobiografia, de José Luis Peixoto; Obnóxio, de Abel Barros Baptista, e Marrom e amarelo, de Paulo Scott – 18 de outubro

LiteraTamy, por Tamy Ghannam

Pontos de fuga, de Milton Hatoum – 6 de novembro


Casa de boneca para elefante, de Patrícia Porto – 2 de novembro

A cidade inexistente, de José Rezende Jr. – 29 de outubro

Fósforo e metal sobre imitação do ser humano, de Filipa Leal – 26 de outubro

O melindre nos dentes da besta, de Carol Rodrigues – 23 de outubro

Rosa que está, de Luci Collin – 19 de outubro

O quarto rosa, de Francisca Camelo – 12 de outubro

Véspera, debris, de Pedro Mohallem – 5 de outubro

Primeira prateleira, por Humberto Conzo Junior

Sete semifinalistas: Frentes de fogo, de A.M. Pires Cabral; Tudo pronto para o fim do mundo, de Bruno Brum; Baal: um romance da imigração, de Betty Milan; O beco da liberdade, Álvaro Laborinho Lúcio; A casa das aranhas, Márcia Barbieri; Cárcere privado, Margarida Patriota, e A ocupação, de Julián Fuks – 9 de novembro

A ocupação, de Julián Fuks – 7 de novembro

Cárcere privado, Margarida Patriota – 6 de novembro

A casa das aranhas, Márcia Barbieri – 2 de novembro

O beco da liberdade, Álvaro Laborinho Lúcio – 31 de outubro

Baal: um romance da imigração, de Betty Milan – 27 de outubro

Tudo pronto para o fim do mundo, de Bruno Brum – 25 de outubro

Frentes de fogo, de A.M. Pires Cabral – 23 de outubro

Chave de leitura, por Aline Aimée

Cinco semifinalistas: Estreitas amplidões, de Rejane Gonçalves; O que resta está por vir, de Maria Carpi; Squirt, de Telma Scherer; Ulpiana, de Bernadette Lyra, e Talvez eu tenha morrido, de Juba Maria – 13 de novembro

Estreitas amplidões, de Rejane Gonçalves – 11 de novembro

O que resta está por vir, Maria Carpi – 8 de novembro

Squirt, Telma Scherer – 6 de novembro

Ulpiana, Bernadette Lyra – 1º de novembro

Talvez eu tenha morrido, de Juba Maria – 30 de outubro