Prêmio Oceanos 2019

Os concorrentes

As 1.467 obras de literatura inscritas na edição deste ano do Oceanos – Prêmio de Literatura em Língua Portuguesa concorrem nas categorias romance, conto, crônica, poesia e dramaturgia com primeira edição em 2018 e publicadas em todo o mundo, desde que originalmente escritas e editadas em português. Os livros participantes foram inscritos por 314 diferentes editoras. Neste ano, as publicações independentes, com edição do próprio autor, somam 49 livros e representam 3,3% do total das inscrições.

Concorrem ao prêmio autores de 11 diferentes origens. Entre os países de língua portuguesa, do continente africano são quatro angolanos, publicados em Portugal; dois cabo-verdianos, um publicado em Cabo Verde e um em Portugal; nove moçambicanos, sete publicados em Moçambique e dois em Portugal, e um autor de São Tomé e Príncipe, publicado em Portugal. De Portugal, foram inscritos 145 autores. Do Brasil, os inscritos somam 1.300.

Há ainda livros publicados em cinco países cujo idioma oficial não é o português: duas obras da Alemanha, quatro dos Estados Unidos, dois da Irlanda, outro dois das Ilhas Maurícias, no Oceano Indico, e um da Holanda.

Entre as categorias avaliadas pelo Oceanos, a poesia – com 690 livros – corresponde a 47% das inscrições. Os romances somam 446 obras e representam 30,4% do total; os livros de contos – 225 inscrições – perfazem 15,3%, seguidos por 82 volumes de crônicas (5,6%) e 24 obras de dramaturgia (1,6%).

Apenas dois livros inscritos em 2019 tiveram edições em mais de um país: O pai da menina morta, do brasileiro Tiago Ferro, publicado no Brasil pela Editora Todavia e em Portugal pela Tinta-da-China, e A mulher sobressalente, do moçambicano Dany Wambire, pela editora moçambicana Fundza e pela brasileira Malê.

Veja aqui a lista de obras concorrentes ao Oceanos 2019.

Os jurados

Em 2019, o corpo de 70 jurados – escritores, poetas, professores universitários, jornalistas da cultura e críticos literários – busca tornar-se ainda mais plural, com ampliação do número de países representados, para atender à diversidade das obras inscritas. Na primeira etapa, compõem o júri um membro de Angola; 50 do Brasil; um de Cabo Verde; um de Moçambique e 17 de Portugal. Eles irão escolher 50 obras semifinalistas e elegerão, entre si, os nove integrantes do Júri Intermediário – que escolherá os 10 finalistas.

Veja aqui a lista de jurados do Oceanos 2019.

Novos parceiros, curadores e prêmio

Este ano, Oceanos conta com novos parceiros. A CPLP – Comunidade dos Países de Língua Portuguesa concedeu apoio institucional ao prêmio e, em março, o Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas de Cabo Verde e o Oceanos também firmou parceria.

O primeiro acordo oficial estabelecido entre o prêmio e uma instituição do continente africano reforça a presença do prêmio em cada vez mais países da CPLP, além de estimular o intercâmbio entre as literaturas de língua portuguesa. O corpo curatorial do Oceanos 2019 também foi ampliado: participam agora a linguista Adelaide Monteiro, curadora da Biblioteca Nacional de Cabo Verde, a escritora e jornalista Isabel Lucas, de Portugal; a gestora cultural Selma Caetano e o crítico literário Manuel da Costa Pinto, ambos do Brasil.

Veja aqui quem são os curadores do Oceanos 2019.

Além dos novos parceiros, o Oceanos segue com os patrocínios do Banco Itaú, da República de Portugal (por meio do Fundo de Fomento Cultural Português) e da CPFL Energia, e o apoio do Itaú Cultural e do Instituto CPFL.

Nesta edição, o valor total da premiação foi aumentado de R$ 230 mil, em 2018, para R$ 250 mil e o Oceanos passa a contemplar três livros (as edições anteriores premiavam quatro), de modo a valorizar a singularidade de cada prêmio. O livro vencedor receberá R$ 120 mil; o segundo colocado, R$ 80 mil e o terceiro, R$ 50 mil, sendo que livros de diferentes gêneros literários concorrem entre si.