Prêmio Oceanos divulga os semifinalistas de 2018 e o próximo júri

Classificaram-se 60 obras de escritores nascidos em seis diferentes países de língua portuguesa: Angola, Brasil, Cabo Verde, Moçambique, Portugal e Timor-Leste.

Fase intermediária tem número recorde de africanos na história do prêmio.

E, pela primeira vez, Oceanos tem três semifinalistas que não nasceram em países de expressão em língua portuguesa: Espanha, Romênia e Suíça

 

A primeira fase de votação do Oceanos – Prêmio de Literatura em Língua Portuguesa, uma parceria com o Itaú Cultural, definiu as 60 obras que se classificaram para a fase intermediária e os nove jurados que definirão os dez finalistas da edição de 2018 (na qual concorrem, exclusivamente, obras publicadas em primeira edição no ano de 2017).

Com patrocínio do Itaú, da República de Portugal (por meio do Fundo de Fomento Cultural Português) e da CPFL Energia o prêmio já apresenta, de modo significativo, os efeitos da abertura das inscrições para todo o universo da língua portuguesa. Iniciado no ano passado, esse processo de ampliação tem o sentido de promover o intercâmbio editorial e difundir autores de diferentes nacionalidades para além das fronteiras de seus países de origem.

No total, 346 diferentes editoras inscreveram os 1.364 livros que concorreram ao Oceanos 2018. Agora, 34 diferentes editoras publicaram os 60 semifinalistas – o que denota a grande participação e diversidade do circuito editorial que lança obras em português. A lista traz 18 editoras do Brasil com 33 autores; 11 de Portugal, com 16 autores; duas de Moçambique, com quatro autores (um deles, Luís Carlos Patraquim, com duas obras), e uma editora de Cabo Verde com um autor.

Veja aqui a lista completa de semifinalistas.

Oito obras de sete escritores nascidos em países da África se qualificaram como semifinalistas (sendo que dois deles nasceram em Angola, mas têm nacionalidade portuguesa), contra apenas uma obra em 2017 (do angolano Pepetela, com livro publicado em Portugal): cinco obras foram publicadas em Moçambique e uma em Cabo Verde. Entre os semifinalistas, portanto, há seis obras e cinco autores representando o continente africano.

Destaca-se ainda a presença, inédita entre os semifinalistas, de um escritor timorense (Timor Leste integra a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa): o romancista Luís Cardoso. Outro dado relevante é que pela primeira vez haverá três semifinalistas nascidos em países em que o português não é língua oficial ou de expressão, mas que adotam o português como idioma literário: a escritora romena Golgona Anghel, o espanhol Alfonso Pexegueiro (ambos publicados em Portugal) e a suíça Prisca Agustoni (publicada no Brasil).

Além disso, dois autores portugueses se tornaram semifinalistas com obras com primeira edição no Brasil, António Carlos Cortez e Judite Canha Fernandes. Em 2017, todos os semifinalistas portugueses haviam sido publicados primeiramente em Portugal.

O regulamento prevê uma lista de 50 semifinalistas, a partir das notas atribuídas por 73 jurados (sendo que cada livro, nessa fase inicial, é lido por três diferentes jurados). Porém, empates técnicos nas últimas colocações determinaram a inclusão de 10 livros, totalizando 60 títulos: 31 romances (entre 483 inscrições), sete livros de contos (entre 206 inscritos) e 22 livros de poesia (entre 576 inscritos). Todos eles concorrem entre si, já que o Oceanos 2018 premia as quatro melhores obras de 2017 sem distinção de gênero literário.

 

Júris

O Júri de Avaliação do Oceanos (responsável pela fase inicial do prêmio, que avaliou a totalidade dos inscritos) foi composto por 73 escritores, poetas, professores universitários, jornalistas e críticos literários – sendo 12 de Portugal, dois de Cabo Verde, três de Moçambique, três de Angola e 53 do Brasil. Veja os nomes e suas biografias nos sites do Oceanos hospedado no do Itaú Cultural — itaucultural.org.br/oceanos/2018 — ou no site da Associação Oceanos — associacaooceanos.pt/

Além de escolher os semifinalistas, o Júri de Avaliação votou entre si nos nove nomes que fazem parte dos Júris Intermediário e Final. São eles:

Ana Paula Tavares (Angola)

Carola Saavedra (Brasil)

Daniel Munduruku (Brasil)

Flora Sussekind (Brasil)

Helena Buescu (Portugal)

Julián Fuks (Brasil)

Heitor Ferraz (Brasil)

Maria João Cantinho (Portugal)

Pedro Mexia (Portugal)

Durante os próximos meses, o Júri Intermediário lê e avalia os 60 livros semifinalistas para no final de outubro eleger os 10 finalistas entre os 60 livros analisados.

A Curadoria do Oceanos 2018 está a cargo da jornalista portuguesa Isabel Lucas e dos jornalistas brasileiros Selma Caetano, Mirna Queiroz e Manuel da Costa Pinto.